Orientação veterinária on-line: o novo jeito de falar com o tutor

A regulamentação da telemedicina na medicina veterinária no Brasil abriu espaço para novos formatos de negócios. Um exemplo é a primeira plataforma virtual de orientação veterinária lançada em 2022 que tem como objetivo ser uma ferramenta de prevenção para complementar a rotina e não competir ou substituir atendimentos em clínicas e hospitais veterinários

maio 1, 2023
15:42
Compartilhe esta publicação:

Sumário

Por Mariana Vilela, da redação

A telemedicina ganhou destaque durante a pandemia do coronavírus, pois a área da saúde precisou revisar regulamentações e utilizar ferramentas que contribuíssem com os atendimentos durante o período de isolamento social. Algumas medidas emergenciais foram autorizadas somente na época, porém, esse período de pandemia mudou o jeito de atender na área de saúde que ganhou um novo espaço no mundo virtual.

Na medicina veterinária não foi diferente e, no Brasil, algumas modalidades de telemedicina foram regulamentadas pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), por meio da resolução número 1465, de 27 de junho de 2022. Contudo, antes de falarmos da evolução da telemedicina, não podemos deixar de destacar a importância do atendimento presencial que é insubstituível em muitos casos, assim como na medicina humana e lembrar do artigo 20 dessa resolução "Independentemente do possível uso da telemedicina veterinária, o atendimento presencial é considerado padrão-ouro para a prática dos atos médico-veterinários".

A ferramenta virtual precisa ser vista como um recurso complementar de orientação e prevenção e não substitui a consulta presencial.

Novos formatos de atendimento

Com a utilização on-line regulamentada, abriu-se espaço para novos formatos de negócios, como é o caso da start up brasileira Tio Chico, uma plataforma de orientação veterinária lançada em junho de 2022.

De acordo com o sócio executivo da Gustavo Alberti, a empresa está em um modelo de crescimento e adaptação ao mercado. “Nossa proposta é acolher a família multiespécie e oferecer orientação especializada em qualquer lugar, 24 horas por dia. Esse período de atuação de um ano já nos proporcionou a entender o perfil do tutor, quem é esse cliente que hoje precisa e busca por atendimento on-line, se ele vive em local urbano ou rural, se a cidade dele tem estrutura veterinária 24 horas”.

Gustavo Alberti, sócio executivo da Tio Chico e sua gata Amorinha

De acordo com Gustavo, a plataforma não compete com o atendimento presencial. “Nosso papel é fazer uma triagem e estamos disponíveis para o tutor, para ouvir com mais tempo. Nós respeitamos esse limite e estamos presentes para orientar, inclusive se a indicação for de atendimento presencial, seja com um médico-veterinário parceiro nosso ou outro de preferência do cliente”.

Além disso, Gustavo destaca que a TioChico é uma importante ferramenta de educação para os tutores que estão em constante aprendizado. “Eu mesmo tenho duas gatinhas e diariamente estou aprendendo muito. Todos os conteúdos publicados passam pela revisão dos veterinários. Entramos nisso muito mais com uma missão do que como um negócio. Mas essa missão para sobreviver e ser sustentável tem que se estruturar como um negócio e ter equilíbrio financeiro”.

O limite da teleorientação

A médica-veterinária diretora técnica da plataforma TioChico, Fernanda Loss, explica que o papel do veterinário que atende pela plataforma é fazer uma triagem e orientar o tutor. “Eventualmente aparecem algumas emergências onde não conseguimos ajudar o tutor e o pet, pois ultrapassa o que se pode fazer on-line. Porém a triagem é importante, pois ao analisar o histórico do animal é possível identificar se é um caso que precisa de atendimento presencial com urgência. Houve um caso de uma tutora com um cão com insuficiência renal que foi orientada a levar seu pet para um hospital e mesmo com o desfecho sendo o óbito do animal, a tutora nos agradeceu pela forma como foi acolhida e orientada e continua sendo nossa cliente com outro pet. Claro que a parte técnica é muito importante, mas, muito além disso, é a forma que os tutores são acolhidos. Muitos chegam desesperados, às vezes por algo que pode não ser grave”.

Fernanda Loss, médica-veterinária diretora técnica da TioChico

A medicina veterinária preventiva é o foco da equipe Tio Chico. “Precisamos educar o tutor para o preventivo e utilizamos ao invés do termo posse responsável, o termo convivência responsável, que é justamente para trabalharmos na prevenção. Por isso, estamos em contato constante com os tutores para que eles entendam o que pode ser feito para melhorar a vida do pet mesmo que não haja nenhuma enfermidade naquele momento”.

Perfil do tutor/cliente

O maior número de atendimentos hoje realizados pela plataforma, de acordo com Gustavo, é de tutores localizados nas regiões de São Paulo e Rio de Janeiro. “Mas temos ou já tivemos atendimentos realizados em praticamente todos os Estados brasileiros e em mais de dez países como Estados Unidos, Japão e outros”, informa.

No Brasil, Fernanda conta que há também muitos clientes de cidades do Nordeste, onde há regiões com difícil acesso aos serviços veterinários. “Há clientes em determinados locais que relatam que não há clínica e nem mesmo pet shop ou agropecuária, e não tem acesso nem mesmo a medicamentos veterinários. Houve uma campanha que fizemos com 30 dias gratuitos e recebemos muitos chamados de regiões que não conhecíamos e distantes. Teve um caso de um tutor que mora no interior do Amazonas, onde o veterinário precisou viajar dois dias para chegar em casa e conseguir realizar o procedimento na cachorrinha no local”, conta Fernanda.

A facilidade de conversar com um veterinário ajuda muitas pessoas que não têm muito tempo, por conta da rotina de trabalho, por exemplo. “Sempre perguntamos como a pessoa quer a orientação por chat ou vídeo, alguns preferem por chat, pois estão trabalhando e precisam de orientação. Claro que dependendo do caso sempre vamos orientar a consulta presencial, mas é muito importante para muitas pessoas ter essa orientação inicial”.

Para atender os diferentes perfis de clientes, a empresa realiza treinamento com os veterinários que vão atender pela plataforma. “Os veterinários passam por uma triagem e o treinamento dura de dois a três meses, dependendo do perfil. Hoje a equipe coordenada pela Fernanda consegue atender as regiões brasileiras e parte do exterior”, explica Gustavo.

Os próximos passos da empresa é ter na equipe veterinários de diversas especialidades que falem fluentemente outras línguas como inglês e espanhol a princípio. De acordo com Gustavo, essa demanda por profissionais com fluência em outras línguas surgiu principalmente por conta de tutores estrangeiros no Brasil que buscam atendimento pela plataforma.

Outra ação futura que Gustavo destaca é ter psicólogos na equipe que atendam os tutores. “Nossa proposta é acolher a família e quando fazemos isso as descobertas são muitas. Obviamente que precisamos respeitar as normas e temos obrigações éticas com relação ao atendimento veterinário, mas orientar, levar conhecimento e acolher não tem limites. Sempre estamos em busca do tutor, quem é assinante sempre recebe conteúdo toda semana, mesmo que não precise de atendimento”.

O tutor tem as opções de contratar uma orientação avulsa ou ser assinante. “Infelizmente há aqueles tutores que olham o valor e só querem um atestado de saúde ou uma prescrição rápida e não entendem que há normas que seguimos e não podemos fazer o que eles querem. Em alguns casos ouvimos desaforos, mas o nosso trabalho é justamente educar. Ao cuidar da saúde do pet cuidamos da saúde da família. O perfil do tutor ideal tem um autocuidado, tem o pet no planejamento familiar e financeiro. Precisamos mostrar que o pet não precisa ficar doente para nos procurar e que o preventivo é sempre melhor, seja para o bolso, quanto para a saúde do pet e da família”, explica Gustavo.


Tio Chico em números

No fechamento de 2022, de acordo com a empresa foram registrados mais de 5 mil atendimentos e, no primeiro trimestre deste ano, já foram mais de 800 atendimentos. A projeção é ultrapassar a marca de sete mil usuários cadastrados até o final de 2023.

Site: www.tiochico.vet

Instagram: @tiochico.vet


Reportagem de capa - Edição 101 - Maio de 2023


TAGS
capa ∙ on-line ∙ tecnologia ∙ telemedicina ∙ teleorientação ∙ tiochico

Retrospectiva 10 anos

A revista Vet&Share é uma publicação que tem como objetivo levar conteúdo de qualidade para o médico-veterinário de animais de companhia. Informações e notícias que vão além da técnica médica-veterinária

Ressonância magnética de alto campo

Quais as aplicações e benefícios para a medicina veterinária? As imagens de alta qualidade e em diferentes planos anatômicos permitem visualização detalhada das estruturas internas do corpo do paciente, o [...]

Oncologia veterinária humanizada

Duas oncologistas veterinárias destacam os desafios da especialidade. Renata Sobral, da Capital Paulista, fala sobre como equilibrar a saúde mental do veterinário, sem deixar de oferecer 8atendimento humanizado aos tutores [...]

A nova geração da nefrologia veterinária

Determinada e com brilho nos olhos, a médica-veterinária Laura Pimentel fala sobre sua rotina na especialidade, sua busca por novas técnicas que possam beneficiar seus pacientes e a importância de [...]

Orientação veterinária on-line: o novo jeito de falar com o tutor

A regulamentação da telemedicina na medicina veterinária no Brasil abriu espaço para novos formatos de negócios. Um exemplo é a primeira plataforma virtual de orientação veterinária lançada em 2022 que tem como objetivo ser uma ferramenta de prevenção para complementar a rotina e não competir ou substituir atendimentos em clínicas e hospitais veterinários

junho 19, 2023
15:42

Leia a Vet&share sem limites.
Libere agora seu acesso

Editora Share Publicações
Segmentadas Ltda
Redes sociais
vetshare@vetshare.com.br
Curitiba - PR
2024 Editora Share © CNPJ: 24.039.946/0001-20