Nutrição adequada e a prevenção de tricobezoares em gatos

Os tricobezoares são um problema comum em gatos, especialmente em animais de pelo longo/semi-longo. Essa condição pode levar a problemas de saúde significativos, portanto, é importante compreender seus fatores predisponentes, causas, consequências e, acima de tudo, as medidas preventivas, incluindo a alimentação adequada. Durante a auto-higienização, os gatos inevitavelmente ingerem os pelos. Eles possuem papilas […]

julho 3, 2023
18:36
Compartilhe esta publicação:

Sumário

Os tricobezoares são um problema comum em gatos, especialmente em animais de pelo longo/semi-longo. Essa condição pode levar a problemas de saúde significativos, portanto, é importante compreender seus fatores predisponentes, causas, consequências e, acima de tudo, as medidas preventivas, incluindo a alimentação adequada.

Durante a auto-higienização, os gatos inevitavelmente ingerem os pelos. Eles possuem papilas cônicas na língua que formam espécies de ganchos voltados para trás. Essas estruturas dérmicas cônicas atuam como uma espécie de escova de modo a remover os pelos mortos e as partículas presas na pelagem. Em média, um gato de pelo curto perde aproximadamente 28g de pelo por kg de peso por ano, sendo dois terços ingerido (Hendriks et al. 1998).

Vale ressaltar que a auto-higienização é um hábito importante para os felinos. Contudo, transtornos comportamentais, estresse, ambiente restrito e pouco enriquecido, dor ou problemas de pele podem fazer com que um gato se limpe compulsivamente e, com isso, ingira uma quantidade de pelos excessiva. Esses fatores são, portanto, predisponentes à formação de bolas de pelos. Um gato sem acesso a ambiente externo, por exemplo, dedica cerca de 30% do seu tempo a auto-higienização (Benjamin, 1976).

Normalmente os pelos ingeridos são eliminados nas fezes, no entanto, grandes quantidades podem se acumular no trato digestório formando tricobezoares (ou bolas de pelo). Essas concreções pilosas podem se formar em qualquer parte do trato gastrintestinal e levar à obstrução parcial ou total do segmento acometido podendo ocasionar diferentes sinais clínicos, como vômito, regurgitação, constipação, desconforto abdominal, hiporexia/anorexia e até levar ao óbito.

Algumas estratégias a fim de ajudar a evitar a formação dos tricobezoares são a escovação regular (Cannon 2013) e a prescrição de um alimento especialmente desenvolvido para essa sensibilidade (Dann et al. 2004; Beynen et al. 2011).

O alimento formulado para ajudar na diminuição de bolas de pelo deve conter um mix de fibras específicas que auxiliarão na eliminação natural dos pelos através das fezes, auxiliando, a evitar que os tricobenzoares sejam formados. A alta capacidade de gelificação das cascas de psyllium aumenta a viscosidade do conteúdo digestivo, agregando à digesta os pelos acumulados e assim impedindo que os pelos se unam e formem os tricobenzoares. Adicionalmente, as fibras insolúveis aumentam o volume gástrico e intestinal, estimulando os movimentos peristálticos e, consequentemente, o o conteúdo digestivo, incluindo os pelos. Como consequência, os pelos ingeridos diariamente pode ser eliminado nas fezes, em vez de se acumularem no estômago ou serem regurgitados.

Os tricobezoares podem ser um problema comum nos gatos, mas podem ser prevenidos por meio de medidas adequadas. A alimentação desempenha um papel fundamental na prevenção, principalmente pela inclusão de determinadas fibras. Além disso, é importante estar atento aos fatores predisponentes e buscar maneiras de minimizá-los, como a escovação regular e a redução de estresse, estimulando a atividade física e mental, inclusive com o enriquecimento ambiental. Ao adotar essas medidas preventivas, é possível colaborar na saúde e qualidade de vida dos gatos, evitando assim os problemas associados aos tricobezoares.

Por Leticia Tortola, coordenadora de Comunicação Científica – Royal Canin do Brasil

Referências bibliográficas

Benjamin, L. (1976). Feline behavior. Feline Practice, 7: 14-17.

Beynen A.C., Middelkoop J. & Saris D.H.J. (2011) Clinical signs of hairballs in cats fed a diet enriched with cellulose. American Journal of Animal and Veterinary Sciences 6, 69–72.

Cannon M. (2013) Hair balls in cats, a normal nuisance or a sign that something is wrong. Journal of Feline Medicine and Surgery 15, 21–29.

Dann J.R., Adler M.A., Duffy K.L. & Giffard C.J. (2004) A potential nutritional prophylactic for the reduction of feline hairball symptoms. Journal of Nutrition 134, 2124S–2125S.

Hendriks W.H., Tartellin M.F. & Moughan P.J. (1998) Seasonal hair loss in adult domestic cats (Felis catus). Journal of Animal Physiology and Animal Nutrition 79, 92–101.

Weber, M., Sams, L., Feugier, A., Michel, S., & Biourge, V. (2015). Influence of the dietary fibre levels on faecal hair excretion after 14 days in short and long‐haired domestic cats. Veterinary Medicine and Science, 1(1), 30-37.

Revista Vet&Share - Edição 103 - Julho de 2023


TAGS
felinos ∙ nutrição ∙ royalcanin

Nutrição adequada e a prevenção de tricobezoares em gatos

Os tricobezoares são um problema comum em gatos, especialmente em animais de pelo longo/semi-longo. Essa condição pode levar a problemas de saúde significativos, portanto, é importante compreender seus fatores predisponentes, causas, consequências e, acima de tudo, as medidas preventivas, incluindo a alimentação adequada. Durante a auto-higienização, os gatos inevitavelmente ingerem os pelos. Eles possuem papilas […]

setembro 5, 2023
18:36

Leia a Vet&share sem limites.
Libere agora seu acesso

Editora Share Publicações
Segmentadas Ltda
Redes sociais
vetshare@vetshare.com.br
Curitiba - PR
2024 Editora Share © CNPJ: 24.039.946/0001-20